Powered by Blogger.

domenica 26 novembre 2017

Le linguage es un instrumento del cognition.

Ma le linguage non es cognition e le cognition non es le linguage.

Le hysteric crede in le parolas que asculta o dice e solo pote pensar per parolas.

Pro comprender qualcosa, comocunque, il es necessari utilisar le parolas. Il es multo plus difficil comprender un concepto que non ha un parola pro se.

Del altere latere, le forma plus facil per le qual ingannar-se es crear un parola pro un concepto que non existe e, dunque, creder in le existentia del concepto a causa del existentia del parola.

Il non se pote dicer, alora, que qualcosa non existe proque il non ha un parola que da lo un nomine.

On pote comprender multo plus que lo que le linguage es capace de exprimer, ma il es impossibile exprimer per le lingua qualcosa que on non comprende.

Le linguage non sustene le cognition, illo solmente da lo forma, appoio e medios de action.

Version in portugese

A linguagem é um instrumento da cognição.

Mas a linguagem não é cognição e a cognição não é a linguagem.

O histérico acredita nas palavras que ouve e diz, e só consegue pensar por palavras.

Para entender algo, porém é necessário utilizar as palavras. É muito mais difícil entender um conceito que não tem uma palavra como nome para si.

Por outro lado, a forma mais fácil pela qual enganar(-se) é criar uma palavra para um conceito que não existe e, portanto, acreditar na existência do conceito por causa da existência da palavra.

Não se pode dizer, então, que algo não existe porque não há uma palavra que lhe dê um nome.

Pode-se entender muito mais do que a linguagem é capaz de exprimir, mas é impossível exprimir através da linguagem algo que não se entende.

A linguagem não sustenta a cognição, apenas lhe dá forma, apoio e meios de atuação.

0 commenti :

Posta un commento